Introdução ao Bruxismo infantil

O bruxismo designa o hábito de apertar ou ranger os dentes, geralmente durante o sono ou em alguns casos durante o dia, acompanhado de som.

A causa mais conhecida para esta parafunção é o stresse emocional. As crianças são seres em desenvolvimento que captam as emoções das pessoas em seu redor, que têm de lidar com uma lista infindável de situações stressantes: mudanças constantes, responsabilidades e atividades em excesso, discussão ou divórcio dos pais, nascimento de um irmão ou problemas escolares.


Cada vez mais a ciência relaciona a origem do bruxismo com atividades do sistema nervoso central, mais precisamente, alterações no nível de dopamina, como também é evidente maior frequência de sintomas em crianças com necessidades especiais ou hiperativas. Outras prováveis causas são as doenças respiratórias (obstruções das vias aéreas e alergias) e deficiências nutricionais.


O diagnóstico do bruxismo deve ser estabelecido o mais precoce possível. As consequências aparecem ao longo do tempo. A mais grave parece ser o desgaste dentário, já que é irreversível, e a reconstrução dentária não apresenta a longevidade esperada, pois facilmente as restaurações caem ou fraturam. Com o excesso de movimento muscular as crianças queixam-se de dor nos maxilares ao acordar e durante as refeições bem como dores de cabeça, ouvidos e articulação temperomandibular (ATM). Socialmente, os indivíduos que vivem com a criança sofrem com o som caraterístico da atrição dentária. Como não existe uma fórmula mágica, devido à complexidade deste fenómeno, o médico dentista identifica e orienta estratégias clínicas de preservação dos dentes até à remissão da parafunção, que pode incluir o uso de “placa de bruxismo em acrílico” para a criança dormir, a partir do momento em que erupcionam os primeiros dentes definitivos.
É possível minimizar as hipóteses de ter bruxismo infantil através do acompanhamento periódico da criança pelo médico dentista que estará atento aos possíveis sinais e sintomas. Pvezes, o apoio do pediatra, psicólogo, otorrino e terapeuta da fala é fundamental.